AGUDELO, E

Entre pupitres y derechos: conocimientos, vivencias y representaciones de los derechos humanos en los estudiantes de educación de la Universidad Distrital. Informe final de investigación. Bogotá: Universidad Distrital–Centro de Investigación y Desarrollo Científico. 2012

ALCA: el proyecto de anexión de América Latina a Estados Unidos en el siglo XXI

Adverti que o ano 2000 significou um marco histórico na luta das mulheres contra o preconceito e a opressão. Diz que aproximadamente 6000 ONGs e milhares de homens e de mulheres percorreram diversos países alertando que enquanto não respeitarem as mulheres e não houver a distribuição solidária da riqueza o futuro de toda a humanidade estará comprometido. Indica que nem o avanço econômico e tecnológico conseguiu acabar com as desigualdades e as explorações que ocorrem nas relações assimétricas entre os homens e as mulheres. Para se ter uma idéia dessa realidade, denuncia que 250 mil meninas de menos de 15 anos trabalham com escravas domésticas no Haiti, conhecidas como restaveks. Classifica a atual mundialização como sexista, que além de gerar a fome e a pobreza, oprimem as mulheres por sua etnia ou por sua cor de pele. Por isso é fundamental a luta por um mundo mais solidário e igualitário que esteja livre da pobreza e de qualquer forma de violência, já que as mulheres estão denunciando a dominação masculina e o preconceito que sofrem.

ALCA: las América para los Estados Unidos – Alternativas a la globalización neoliberal desde la Alianza Social Continental

Lembra que, na década de 70, os profissionais da educação vivenciaram o fenômeno denominado de “teoria do capital humano” que partia da premissa sobre a necessidade da escolarização para o mercado de trabalho. Considera que a grande falha da teoria do capital humano foi associar a obtenção de uma formação que garantisse uma boa remuneração no mercado de trabalho, surgindo um corte entre a formação e a remuneração. Com as mudanças ocorridas no mercado e na relação de trabalho, volta-se a discussão da maneira pela qual a escola deve oferecer ao cidadão as condições básicas para que ele se torne trabalhador. Cada vez mais a formação para o mercado de trabalho vai está centrada no treinamento e na educação continuada. Indica que os agentes sociais não devem ficar imóveis perante as mudanças bruscas e velozes que estão ocorrendo em escala mundial, porque se assim for, cada vez mais pessoas ficarão excluídas da sociedade e, como sempre, só uma minoria terá direito à participação em todos os seus níveis.