Curso Livre “O Golpe de 2016 e a Educação no Brasil” – FE / UNICAMP

Transmissão ao vivo todas as quintas-feiras das 17h às 19h pelo Coletivo Socializando Saberes: Coletivo Socializando Saberes

Ementa

O curso inspira-se em disciplina oferecida na Universidade de Brasília pelos docentes Luis Felipe Miguel e Karina Damous Duailibe, reconhecendo a importância desta iniciativa. Contrários às iniciativas em andamento de liquidar com a autonomia universitária e a liberdade de pesquisa e ensino crítico na universidade, o curso tem por objetivo analisar o contexto histórico do golpe de Estado no Brasil, entendido como mecanismo de manutenção e controle do Estado pela elite dominante, focando particularmente no Golpe de 2016 e seus desdobramentos no processo de sucateamento da educação estatal (pública) brasileira.

15 de março – Aula de Abertura: “A crise política no Brasil, o golpe e o papel da educação na resistência e na transformação” Convidado: Dermeval Saviani

Um Brasil sem o básico

Reportagem retrata diferentes realidades do saneamento básico do país

Caminhos da Reportagem – no AR em 22/03/2018

Sinopse: Mais de 30 milhões de brasileiros não têm água tratada. Quase metade da população do país não tem esgoto coletado e apenas 42% desse esgoto coletado é tratado. Quatro milhões de habitantes ainda não têm acesso a banheiro. Os dados são do Instituto Trata Brasil e refletem a situação do saneamento básico no Brasil. Nossa equipe de reportagem esteve nos estados do Pará, Amapá, Distrito Federal, Alagoas e São Paulo para retratar as diferentes realidades do saneamento básico do país. O programa mostra que a falta de saneamento básico pode trazer uma série de doenças e causar vários impactos ao meio ambiente.

El COLOR DE LA SAYA – video entrevista con Liliana de la Quintana

Sinopse: Liliana de la Quintana, escritora boliviana de literatura infantil, habla brevemente de su inquietud sobre la escasa presencia de protagonistas afro-bolivianos en la literatura de su país, lo que la ha llevado a investigar la presencia africana en la literatura infantil latinoamericana. Presenta, además, su nuevo libro, El color de la saya, en el que busca rescatar las raíces afro de Bolivia al hacer un recorrido por dicha cultura y al intercalar ficción con letras conocidas de sayas. El libro, que cuenta la historia de Rita, una niña que sueña con jugar fútbol, está dedicado a la primera abuela de la humanidad –nuestra abuela africana– y a todo el pueblo afro-boliviano.

Sinopse: Liliana de la Quintana, escritora boliviana de literatura infantil, fala brevemente da sua inquietude sobre a escassa presença de protagonistas afro-bolivianos na literatura do seu país. Isso a levou a pesquisar sobre a presença africana na literatura infantil da América Latina. Além do mais, apresenta seu novo livro, El color de lasaya, e nele procura resgatar as raízes afro da Bolívia, ao fazer um percorrido por essa cultura ao longo da história e ao intercalar ficção com letras conhecidas de sayas. O livro, que conta a história de Rita, uma menina que sonha com jogar futebol, está dedicado à primeira avó da humanidade – nossa avó africana – e a todo o povo afro-boliviano.