O PROCESSO

Direção: Maria Augusta Ramos, 2018. Lançamento em breve no Brasil

Sinopse: O documentário acompanha a crise política que afeta o Brasil desde 2013 sem nenhum tipo de abordagem direta, como entrevistas ou intervenções nos acontecimentos. A diretora Maria Augusta Ramos passou meses no Planalto e no Congresso Nacional captando imagens sobre votações e discussões que culminaram com a destituição da presidenta Dilma Rousseff do cargo. O filme ficou em terceiro lugar na escolha do público entres os documentários da Panorama, principal mostra paralela do 68º Festival de Berlim. Teve casa lotada em todas as sessões, e a plateia aplaudia o filme durante sua exibição e aplaudiu de pé ao final.

Um Limite Entre Nós

Direção: Denzel Washington, 2017 (lançamento no Brasil)                           

Sinopse: Anos 1950. Troy Maxson (Denzel Washington) tem 53 anos e mora com a esposa, Rose (Viola Davis), e o filho mais novo, Cory (Jovan Adepo). Ele trabalha recolhendo lixo das ruas e batalha na empresa para que consiga migrar para o posto de motorista do caminhão de lixo. Troy sente um profundo rancor por não ter conseguido se tornar jogador profissional de baseball, devido à cor de sua pele, e por causa disto não quer que o filho siga como esportista. Isto faz com que o jovem bata de frente com o pai, já que um recrutador está prestes a ser enviado para observá-lo em jogos de futebol americano.

Eu Não Sou Seu Negro

Direção: Raoul Peck. 2017 (lançamento no Brasil)


Sinopse: O produtor Raoul Peck usa o livro inacabado de James Baldwin sobre o racismo nos EUA e outros registros do autor, para examinar as questões raciais contemporâneas, com relatos sobre as vidas e assassinatos dos lideres ativistas Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Jr. Raoul Peck se apropria deste vasto material para montar o documentário com profundo respeito ao escritor, combinando trechos de suas entrevistas e palestras com as ideias contidas exclusivamente no manuscrito (e narradas muito sobriamente por Samuel L. Jackson) e imagens históricas, de ontem e de hoje (o que denota a atualidade de suas digressões).

Eu, Daniel Blake

Direção:  Ken Loach. 2017 (lançamento no Brasil)

Sinopse: Após sofrer um ataque cardíaco e ser desaconselhado pelos médicos a retornar ao trabalho, Daniel Blake (Dave Johns) busca receber os benefícios concedidos pelo governo a todos que estão nesta situação. Entretanto, ele esbarra na extrema burocracia instalada pelo governo, amplificada pelo fato dele ser um analfabeto digital. Numa de suas várias idas a departamentos governamentais, ele conhece Katie (Hayley Squires), a mãe solteira de duas crianças, que se mudou recentemente para a cidade e também não possui condições financeiras para se manter. Após defendê-la, Daniel se aproxima de Katie e passa a ajudá-la. O filme tem como proposta denunciar a precarização da classe trabalhadora britânica diante de um Estado burocratizado, mecanizado, insensível – e, no limite, assassino.

TRAGO COMIGO

Direção: Tata Amaral, 2016                          

Sinopse: Esta ficção se abre em estilo de falso documentário. Telmo (Carlos Alberto Riccelli) é entrevistado por uma equipe sobre seu engajamento político durante a ditadura militar. Ele se recorda dos fatos, mas não consegue resgatar a história de uma ex-namorada, Lia. Por que não se lembra dela? De olhos marejados, o personagem deve conjugar a dor se lembrar de uma época traumática, e a dor de não se lembrar de um relacionamento amoroso. A diretora Tata Amaral avança rapidamente pela metalinguagem do filme-dentro-do-filme. A cineasta habituada a este recorte histórico prefere fazer uma mistura de artes, no caso, propor uma peça de teatro dentro do filme. Telmo é um famoso dramaturgo e, em sua busca pessoal, decide criar uma peça autobiográfica para exorcizar os fantasmas do passado.

SPOTLIGHT – Segredos Revelados

Direção: Tom McCarthy, 2016                                                        

Sinopse: O filme é baseado em uma história real – que deu origem ao livro, vencedor do Pulitzer –, escrito pelo mesmo grupo de jornalistas que participou da apuração do caso. Aos poucos, a equipe editorial da publicação vai descobrindo uma série de relatos de pedofilia praticados por membros da Igreja Católica na cidade de Boston – todos, claro, devidamente acobertados. Ao posicionar o espectador dentro da redação – e, principalmente, na rua, acompanhando a apuração e descobrindo os fatos ao lado dos jornalistas –, o filme não diz apenas da maneira como o jornalismo é feito (ou, pelo menos, deveria), mas da motivação profissional que justifica a denúncia da hipocrisia de uma parte da Igreja, da burocracia imposta pelos poderosos e, principalmente, do abuso decorrente da fragilidade socioeconômica dos mais desfavorecidos.

A Garota Dinamarquesa

Direção: Tom Hooper, 2016                                                                         

Sinopse: Cinebiografia de Lili Elbe (Eddie Redmayne), que nasceu Einar Mogens Wegener e foi a primeira pessoa a se submeter a uma cirurgia de mudança de gênero. Na Copenhague de 1926, os artistas Einar e Gerda Wegener se casam. Gerda então decide vestir Einar de mulher para pintá-lo. Einar começa a mudar sua aparência, transformando-se em uma mulher, e passa a se chamar de Lili Elbe. Com o apoio, ainda que conturbado, da esposa, um Einar deprimido passa por uma cirurgia de mudança de sexo da história para tentar se transformar por completo em Lili e recuperar o gosto pela vida.

O Espírito de 45

Direção: Ken Loach, GB 2015

Sinopse: O ano de 1945 – que coincide com o fim dos terríveis anos da Segunda Grande Guerra – foi marcado por acontecimentos que alteraram não apenas a Europa, mas vários outros continentes. Durante este período, a união e o espírito de entreajuda dominavam as pessoas, desde os mais jovens aos mais idosos. Com este documentário, que avalia o que se passou especificamente na Grã-Bretanha, Ken Loach oferece ao espectador diversas narrativas e registos históricos que revelam a peculiaridade do espírito dessa época, demonstrando de que forma esse entusiasmo e esperança no futuro pode ser inspirador para os dias de hoje.