Pensamento crítico no Enem

POR ANTÔNIO GOIS

05/11/2018

O tema da redação na prova de ontem do Enem – Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet – foi relevante não apenas por sua atualidade, mas também por sinalizar para as escolas a importância de trabalhar nos alunos a construção de competências e habilidades para lidar num mundo em que nossas decisões – políticas, de consumo ou comportamentais – estão cada vez mais sujeitas à influência de algoritmos e estratégias manipuladas no ambiente virtual.

A caravana de imigrantes para os EUA

As vidas despedaçadas que irritam Trump. Duas famílias hondurenhas contam desde a partida e durante a caravana que segue em direção aos EUA os motivos da fuga e da crise imigratória que afeta a América Central e o México

A última vez que viu o marido estava tão triste que nem trocaram um beijo de despedida. Depois de 13 anos e três filhos, o momento se reduziu a um leve tapinha no ombro e uma bênção no ar antes de ele sair pela rua arrastando os pés pela terra. Apenas algumas horas antes, Jose Hernández, 31 anos, vira na televisão que uma estranha caravana de imigrantes passaria perto de sua casa. Eles iriam juntos e em segurança para os Estados Unidos, a 2.500 metros de sua casa em San Pedro Sula. Em questão de minutos, decidiu juntar-se a ela.

Após bloqueio policial, caravana de imigrantes chega a Oaxaca no México

Grupo caminha em direção aos Estados Unidos. Autoridades contabilizaram mais de 7 mil pessoas.

A caravana de centro-americanos que percorre o México para chegar aos Estados Unidos parou neste sábado em San Pedro Tapanatepec, no estado de Oaxaca (sul), após um bloqueio policial de três horas e ultrapassando a capacidade de atendimento das autoridades.

Cansados, desidratados e alguns deles doentes, os mais de 7 mil imigrantes que foram contabilizados pelas autoridades se instalaram no centro da cidade, o que representa sua primeira parada nesse estado do sul do México.

Como vem sendo habitual ao longo de sua rota, que começou em 13 de outubro em San Pedro Sula (Honduras), os imigrantes se instalaram em albergues, parques, igrejas e em todos os espaços públicos disponíveis.

Discriminação contra LGBTs passa a ser crime em Tóquio, no Japão

Discriminação contra LGBTs passa a ser crime em Tóquio, no Japão

Por Tiago Minervino

10 de outubro de 2018

Uma das principais potências econômicas do mundo, mas com histórico de conservadorismo e de restrição à comunidade LGBT, o Japão deu um passo importante para conter a discriminação contra essa população em seu território.

Agora, a discriminação às LGBTs em Tóquio passa a ser considerada crime. Além de punir aqueles pegos em atos LGBTfóbicos, a comunidade arco-íris local terá o direito de visitar seus pares em hospitais, por exemplo.

“Quando você só acredita no que quer, não há como ter democracia”

“Quando você só acredita no que quer, não há como ter democracia”

O pesquisador Aviv Ovadya explica quais serão as consequências do uso de tecnologias avançadas para a produção de mentiras espalhadas pelas redes sociais

Na tentativa de frear mais uma enxurrada de fake news – boatos fabricados para levar alguém a uma conclusão falsa sobre a realidade ou sobre um candidato – no segundo turno das eleições presidenciais, o TSE convidou representantes das campanhas de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) para uma reunião sobre o tema.

Porém, segundo alerta o pesquisador e tecnólogo americano Aviv Ovadya, o problema das fake news são um passeio quando comparado com o que poderá ser feito com ajuda de tecnologias mais avançadas, como inteligência artificial.

É ingênuo dar por garantidas liberdades que custaram a ser conquistadas

Os rostos deformados pelo ódio e os gritos de supremacia branca não estão mais só nos filmes dos anos sessenta

Já faz mais de quatro anos que viajei a Memphis, no Tennessee, para ver com meus próprios olhos os lugares em que se passaram os últimos dias da vida de Martin Luther King. O downtown de Memphis —equivalente ao que chamamos de centro em uma cidade europeia— conservava em parte a antiga glória fantasmagórica, mas também a deterioração e a ruína irremediáveis. O carro, a casa isolada com jardim, os shopping malls favoreceram durante décadas um abandono dos antigos centros urbanos que só nos últimos tempos começou a se reverter, pelo menos até certo ponto. Estúdios de artistas e designers, restaurantes da moda, lojas de antiguidade ocupam agora espaços industriais e antigas lojas ou oficinas salvos da ruína.

Haddad: “Me estranha que quem lutou pela democracia fique neutro diante de alguém que apoia a ditadura”

Candidato do PT afirma ao EL PAÍS que propostas de Jair Bolsonaro vão piorar violência. Sobre Venezuela, diz “não ter compromisso com nenhum regime autoritário” e que apoia saída democrática

Flávia Marreiro e Talita Bedinelli – São Paulo, 14/10/2018

Fernando Haddad (São Paulo, 1963) chega à sala aparentando imensa exaustão. Senta em uma cadeira, de costas para uma janela enorme com vistas para um sobrado que, na fachada, exibe uma bandeira do Brasil desbotada e um cartaz que exalta seu oponente, Jair Bolsonaro. No local onde recebeu o EL PAÍS para uma entrevista, na tarde deste sábado, agora funciona seu sóbrio comitê de campanha, que não tem qualquer menção ao candidato petista do lado de fora. Antes, o prédio era parte da sede do Instituto Lula, de quem ainda se guarda um grande retrato em uma das paredes. Ao lado da foto, um cartaz anuncia a senha do Wi-Fi para os visitantes: #foratemer.

DEMOCRATAS BRASILEIROS, UNI-VOS!

por Boaventura de Sousa Santos – 13/10/2018
A democracia brasileira está à beira do abismo. O golpe institucional que se iniciou com o impeachment da Presidente Dilma e prosseguiu com a injusta prisão do ex-presidente Lula da Silva está quase consumado. A consumação do golpe significa hoje algo muito diferente do que foi inicialmente pensado por muitas das forças políticas e sociais que o protagonizaram ou dele não discordaram. Algumas dessas forças agiram ou reagiram no convencimento genuíno de que o golpe visava regenerar a democracia brasileira por via da luta contra a corrupção; outros entendiam que era o modo de neutralizar a ascensão das classses populares a um nível de vida que mais tarde ou mais cedo ameaçaria não apenas as elites, mas também as classes médias (muitas delas produto das políticas redistributivas contra as quais agora se viravam). Obviamente, nenhum destes grupos falava de golpe e ambos acreditavam que a democracia era estável. Não se deram conta de que havia três bombas-relógio construídas em tempos muito diversos, mas podendo explodir simultaneamente. Se tal ocorresse, a democracia revelaria toda a sua fragilidade e possivelmente não sobreviveria.

Carta aberta de Manuel Castells aos intelectuais do mundo

Publicado em: outubro 8, 2018

Manuels Castells (*)

Amigos intelectuais comprometidos com a democracia:

O Brasil está em perigo. E, com o Brasil, o mundo. Porque, depois da Eleição de Trump, a tomada do poder por um governo neofascista na Itália e da ascensão do neonazismo na Europa, o Brasil pode eleger presidente um fascista, defensor da ditadura militar, misógino, sexista, racista e xenófobo, que obteve 46% dos votos válidos no primeiro turno da eleição presidencial. Pouco importa quem seja seu oponente. Fernando Haddad é a única alternativa possível. É um acadêmico respeitável e moderado, candidato pelo PT, um partido hoje em dia desprestigiado por ter se envolvido no processo de corrupção generalizado do sistema político brasileiro.

‘Só acendi o fósforo no barril de pólvora’, diz criadora de grupo contra Bolsonaro

Criadora do ‘Mulheres Unidas Contra Bolsonaro’, grupo com 3,8 mi de seguidoras, Ludimilla Teixeira afirma que não sabe nem se vai votar

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo –29 Setembro 2018

A moça que conseguiu reunir 3,8 milhões de mulheres contra um candidato a presidente acha que sequer vai votar nas eleições 2018. “Não digo que todos os políticos são corruptos, sei que existem pessoas sérias, mas quando estão em um partido ficam muito limitadas, precisam reforçar o ideal do partido”, diz a baiana Ludimilla Teixeira, de 36 anos, que há um mês criou no Facebook o grupo Mulheres Unidas Contra Bolsonaro. “O que eu sei é em quem eu não vou votar”, completa Ludimilla, que é funcionária pública em Salvador e se diz anarquista.