Comissão de Normas da Organização Internacional do Trabalho questiona restrição da nova lei a princípios da negociação coletiva e direito de sindicalização

São Paulo – A Organização Internacional do Trabalho (OIT) cobra novas explicações do governo brasileiro sobre a “reforma” trabalhista. Durante a 107ª Conferência Internacional do Trabalho, em Genebra, o governo, por meio do ministro do Trabalho, Helton Yomura, tentou desqualificar as críticas à nova lei brasileira por entidades do Brasil e do mundo. Mas não ganhou apoio.

A organização incluiu o Brasil na lista de países suspeitos de descumprir normas internacionais de proteção aos trabalhadores, passou a analisar o caso brasileiro e a mais explicações. O governo terá que responder antes de novembro deste ano, quando acontece a próxima reunião do Comitê de Peritos da OIT.

Temer planeja desarticular Educação Especial inclusiva

Governo Temer planeja desarticular Educação Especial e golpear política de inclusão

Governo golpista elabora proposta sem debate democrático entre as partes interessadas. MEC pode adotar um modelo que ao invés de incluir, segrega
Em mais uma investida antidemocrática, o governo ilegítimo de Michel Temer está empenhado em promover um retrocesso sem precedentes na educação brasileira. Desta vez, o alvo é toda a política de educação especial que foi elaborada sob um entendimento inclusivo e que, nos últimos dez anos, permitiu ao Brasil – a partir de iniciativas dos governos Lula e Dilma – romper paradigmas nessa área e avançar, enormemente, em muitos resultados.

Suprema Corte do Reino Unido rejeita recurso para mudar lei do aborto na Irlanda do Norte

Apesar disso, juízes afirmaram que legislação atual vai contra os direitos humanos

LONDRES- A Suprema Corte do Reino Unido rejeitou, nesta quinta-feira, um recurso que tentava reverter a proibição quase total do aborto na Irlanda do Norte. Mas concluiu que a legislação em vigor é incompatível com os direitos humanos.

A Comissão de Direitos Humanos da Irlanda do Norte (NIHRC) pediu à máxima instância judicial do Reino Unido que decida se as restritivas leis do aborto norte-irlandesas contrariam o Convênio Europeu de Direitos Humanos, mas a maioria de seus sete juízes (uma vitória de quatro a três) afirmou que tal comissão não tem poder para “instituir processos dessa natureza”.

A Criminalização do Conhecimento, por Judith Butler

Muitos acadêmicos se encontram sujeitos à censura, à prisão e ao exílio. Perderam seus cargos e se preocupam se algum dia poderão dar continuidade às suas pesquisas e aulas. Foram privados de seus cargos por causa de suas posições políticas, ou às vezes, por pontos de vista que supõem que tenham ou que lhes é…

Violências na escola: tecendo redes de proteção

CICLO DE DEBATES “Educar em Tempos Difíceis”

MSE-Brasil – 2018

A Roda de Conversa Violências na escola: tecendo redes de proteção quer ser um espaço de troca, onde todos os participantes possam compartilhar suas experiências e se fortalecer na busca de caminhos para responder aos desafios desses tempos difíceis.

Conversão forçada e intolerância religiosa são retratadas em ‘Ex-Pajé’

Etnocídio indígena: documentário de Luiz Bolognesi acompanha Perpera, da etnia Paiter Suruí que, com a chegada da igreja evangélica na floresta, foi obrigado a abrir mão da pajelância

por Xandra Stefanel, especial para RBA publicado 23/04/2018 08h55

Perpera
‘Depois que pastor disse que pajé é coisa do diabo, viravam o rosto pra mim. Só voltaram a falar comigo quando fui pra igreja’

Entidades questionam reforma na política de educação inclusiva

Juízes, promotores e especialistas exigem do MEC a abertura de amplo debate sobre mudanças em estudo. Eles temem que crianças e adolescentes com deficiência voltem a ser excluídos da escola regular

por Cida de Oliveira, da RBA

São Paulo – Vencedora do Prêmio Darcy Ribeiro de Educação em 2015 e autora do livro Débora conta Histórias, a professora Débora Seabra, 36 anos de idade e 13 de profissão, deu uma lição na desembargadora Marília Castro Neves, do Rio de Janeiro.

Com 427 registros, casos de estupros crescem quase 18% no Rio em abril

Além dos indicadores da letalidade violenta no estado em abril, chama atenção o aumento dos casos de estupro. Os dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) mostram que o crime foi 17,6% maior que em abril do ano passado. Em números absolutos, 427 casos foram registrados no estado mês passado contra 363 no mesmo período de 2017. No acumulado entre janeiro e abril, houve uma elevação de 14,3% ou 217 casos a mais.